terça-feira, 17 de maio de 2011

A Opinião Rabínica sobre Isaías 53


A Opinião Rabínica sobre Isaías 53
     Depois do desencadear do “fenômeno anussita” pelo mundo (principalmente no Brasil), muitos religiosos sentiram que só seriam de fato plenos judeus se de alguma forma estes podessem mostrar (para si e para os outros) alguma espécie de vínculo com os judeus de outras correntes, com Israel. Obviamente para nós os nordestinos isso se nos apresentou como um Presente Divino que a muito nos foi entregue, porém, estava “guardado” e só agora é que tomamos posse de fato daquilo que o Eterno nosso Deus, Bendito seja o Seu Nome, nos deu através da História Judaica, através da História Sefaradita, através da História do Brasil, através da História do nosso Nordeste, em fim, através de nossa História.


     Em vista disso, muitos “apoiadores da causa anussita” tem se apresentado para os leigos sugerindo-lhes uma “caminhada judaica mais curta” em direção ao Judaísmo de nossos Pais, para tanto, o candidato só precisa, mesmo sem uma explicação lógica, largar a crença no Novo Testamento, sob a alegação de que judeu de verdade não acredita no Novo Testamento, e para provar a “veracidade” de seu argumento muitas instituições judaicas torcem o sentido das palavras do próprio Tanakh, usando a técnica adotada pelos cristãos para fazer a mesma coisa; fundamentar o seu ponto de vista.


     Dessa forma, uns e outros (judeus e cristãos) acabam por ignorar que; o Judaísmo moderno não corresponde de fato à religião propostas nas Escrituras Sagradas e que cristianismo é na verdade uma leitura grega do Verdadeiro Judaísmo, o que não leva obviamente o cristão a acertar, pois, uma vez mudado o sentido das palavras (por força natural da aculturação do texto) muda-se o sentido da religião que culmina logicamente em uma ideologia religiosa que difere do proposto no Tanakh, e por isso (e só por isso) é que a versão grega do Tanakh deve ser chamada de Bíblia, porque uma leitura do mesmo texto Sagrado do ponto de vista ocidental sendo as máximas do Livro revestidas da filosofia grega, levará o leitor a uma outra concepção religiosa que não o Judaísmo.


     Em vista disso alguns maliciosos procuram se aproveitar dessa onda crescente de adeptos ao Judaísmo (ainda que informais) e a detrimento do Espiritual manipulam a informação para ganho próprio. A soma dessa destas atitudes maliciosas e a repercussão das mesmas se transformam em partes constituintes da “mídia judaica” que como toda mídia, trabalha com o que dá ibope e não com a verdade. À guisa disso, temos o capítulo de Isaías 53 que os cristãos usam para fundamentar a messianidade profética de Jesus (mesmo sem saber direito o que estão fazendo), por outro lado temos  a interpretação rabínica moderna dos dias de hoje que fala que Isaías 53 refere-se a Israel (o que constitui metade da Verdade) e não ao Messias. Porém, cabe-nos aqui perguntar: “Será que sempre pensaram assim todos os Sábios Judeus das gerações passadas? Estavam eles de acordo com essa mesma opinião?”.


     Registros Históricos mostram que os representantes do Judaísmo de épocas passadas discordavam da opinião do Judaísmo moderno, e aqui é oportuno lembrar que aqueles rabinos de fato tinham autoridade para fazer valer suas respostas (Teshuvot) como leis determinantes sobre o assunto abordado, hoje porém, os rabinos modernos gozam de uma Semikhá (ordenação) simbólica, sem autoridade de fato, tudo o que podem fazer é ensinar os ditos dos antigos, é essa a sua obrigação (do rabino) e nada mais, não podem inovar, não podem mudar os registros antigos, e estes mesmos registros antigos mostram que Isaías 53 de fato se refere ao Messias, e todo o rabino honesto, cumpridor de seu dever e ciente de seu papel na formação das futuras gerações de judeus conscientes, amantes da Torá e tementes a Deus, jamais dirão ao contrário do que disseram os antigos sábios de nosso povo, como veremos a seguir:

      O Rabino Moses Alschech (1508-1600) diz: Nossos sábios Rabinos com uma só voz aceitam e afirmam em comum opinião que o profeta discursa sobre o Messias, e nós devemos aderir ao mesmo ponto de vista.


     Abravanel (1437-1508) disse: Esta é também a opinião de nossos próprios homens instruídos na maioria de seus "Midrashim." (discursos rabínicos).

     Rabino Yafet Ben Ali (segunda metade do 10o século):
Quanto a mim, eu vou considerá-lo como aludindo ao Messias.

     Abraham Farissol (1451 - 1526) diz: Neste capítulo parece haver umas semelhanças e umas alusões consideráveis ao ministério do Messias "cristão" e aos eventos que são aplicados para ter acontecido com ele, de modo que nenhuma outra profecia deva ser encontrada ou aplicada tão bem e ao assunto de que pode assim imediatamente lhe ser conferido. "

     Targum Yonathan (4o século) dá a introdução em Isa. 52:13: "Eis, meu servo o Messias…"
     Gersonides (1288-1344) em Deut. 18:18: "De fato o Messias é tal profeta, pois se indica no Midrash no verso, "Eis, meu Servo…" (Isa. 52:13)."

     Midrash Tanchuma: "Foi exaltado acima de Abraham, exaltado acima de Moshe, e ainda mais exaltado do que os Arcanjos" (Isa.52: 13).

     Yalkut Schimeon (atribuído ao Rabbi Simeon Kara, ao 12o século) diz: "Em Zacarias.4:7:(O rei Messias) é maior que os patriarcas, porque é dito, "Eis que o meu servo procederá com prudência; será exaltado, e elevado, e mui sublime. (Isa. 52:13)." 


      Maimônides (1135-12O4) escreveu ao Rabbi Jacob Alfajumi:
"Do mesmo modo está em Isaías que (Messias) apareceria sem reconhecer um pai ou uma mãe": Pois foi crescendo como renovo perante ele, e como raiz que sai duma terra seca;... (Isa.53: 2)."
     Tanchuma:O Rabino Nachman diz: A Palavra HOMEM na passagem, um homem que seja cabeça da casa de seu pai. (Num.1, 4), alude ao Messias, o filho de David, porque está escrito, "Eis o homem cujo nome é Tzemach (renovo)". Onde no Targun Yonathan interpreta, "Eis o homem o Messias" (Zacarias. 6:12); e assim é dito: homem de dores, e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum (Isa.53: 3)."
     Talmud Sanhedrin (98b): "Messias… qual é seu nome? Os Rabinos dizem, "leproso"; aquele da casa de estudo. (Rabino Yehuda Hanassi, o autor do Mishná, 135-200): seus alunos disseram o nome do Messias é "Cholaja" (o enfermo), porque diz; "certamente carregou nossas enfermidades..." (Isa.53,4). "

     Pesiqta Rabbati (ca.845) sobre Isa. 61,10: Os "mundo dos Patriarcas", um dia no mês de Nisan, levantarão e dirão (ao Messias): 'Efraim, nosso Justo Ungido, embora nós sejamos seus avós, contudo você é maior do que nós, porque você carregou os pecados de nossos filhos, porque diz: ‘Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e carregou com as nossas dores; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido’ ‘Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados’ (Isa.53, 4-5).

     Rabino Shmeon Ben Yochai (2° Século), Zohar. parte II página 212a e III página 218a, Amsterdã Ed.): Há no jardim de Éden um palácio chamado: 'O palácio dos filhos da enfermidade, este é palácio que o Messias entra, e chama sobre si cada doença, cada dor, e cada castigo de Israel: então todos vêm e caem sobre Ele. E assim tirou o peso de Israel, e os levou sobre si mesmo. Não havia nenhum homem capaz de carregar a punição de Israel por causa da transgressão da Lei; este é aquele do que é escrito, Verdadeiramente ele tomou sobre si (Isa.53, 4). - Enquanto lhe dizem (o Messias) da miséria de Israel em seu cativeiro, e daqueles infiéis entre eles que não atenderam em conhecer seu Senhor, Ele (o Senhor deles o Messias) levanta sua voz e chora pelas iniqüidades e infidelidades deles; e assim escreve-se, "ele foi ferido por causa de nossas transgressões" (Isa.53,5). Midrash (em Ruth 2.14): É discurso do rei Messias – ‘venha em direção’, isto é próximo ao trono; "coma do pão", isto é o pão do Reino. 'Isto alude a (pão da) aflição, enquanto é dito, "mas foi ferido por causa de nossas transgressões, afligido por causa nossos iniqüidades" (Isa.53,5).

     Disse o Rabino Elias de Vidas (Século 16): "O significado de ‘foi ferido por causa de nossas transgressões, afligido por causa de nossas iniqüidades’ é, desde que o Messias carrega nossas iniqüidades que produzem suas aflições, conseqüentemente aqueles que não admitem que o Messias sofra por nossas iniqüidades, então devem eles mesmos sofrer pelas deles." 

     Siphre: O Rabino Jose Galileu disse: vem aprender os méritos do Rei Messias e a recompensa do justo - Considere quantas mortes levou sobre si, de sua própria geração, e sobre daquelas que os seguiram, até o fim de todas as gerações. Qual atributo é maior, o atributo da bondade, ou o atributo da vingança? '- Respondeu, 'o atributo da bondade é maior, e o atributo da vingança é menor. ' - ' quanto mais então, o Rei Messias, que resiste as aflições e as dores por causa de nossas transgressões (pois se escreve, 'foi ferido...), justificam todas as gerações. Este é o significado da palavra, mas o Senhor fez cair sobre Ele a iniqüidade de todos nós. (Isa.53:6)."

     O Rabino Eleazer Kalir (Século 9) escreveu a seguinte oração de Musaf (do Sidur): "Nosso Messias o justo partiu de nós. O Horror apreendeu-nos e nós não temos ninguém para justificar-nos. Carregou nossas transgressões e culpa de nossas iniqüidades, e foi ferido por causa de nossas transgressões. Suportou nossos pecados em cima de seus ombros para que nós possamos encontrar o perdão para nossas iniqüidades. Nós seremos curados por suas feridas, quando o ETERNO o recriar em uma nova criatura. E trazê-lo ao círculo da terra, levantá-lo de Seir, para que nós possamos o ouvir pela segunda vez." Musaf - sãos as orações de acréscimos no Sidur, o livro de orações e louvores judaicos usados nas sinagogas. Seir - se refere ao lugar onde Esaú foi. Esaú (que é chamado também de Edom) na literatura Talmúdica alude ao cristianismo.

     Rabino Moshé, "o Pregador" (século 11) escreveu em seu comentário sobre Genesis (página 660): No principio D-us fez uma aliança com o Messias e disse ao Messias: 'meu Messias o Justo, aqueles que confiarem em você, seus pecados, trarão sobre você um fardo muito pesado pra você suportar, e Ele (o Messias ) respondeu: 'eu aceito contente todas estas agonias em ordem que nenhum só de Israel seja perdido. 'Imediatamente, o Messias aceitou todas as agonias com amor, como se escreve: 'foi oprimido e aflito'.
     Pesiqta (sobre Isa.61:10):Grandes opressões foram colocadas em cima de você, como diz: Pela opressão e pelo juízo foi levado e quem dentre os da sua geração considerou que ele fora cortado da terra dos viventes, ferido por causa da transgressão do meu povo? (Isa.53: 8), como ele diz: mas o Senhor fez cair sobre Ele a iniqüidade de todos nós.'(Isa.53: 6). " Hinei Tzemach Shmô Eis que se chamará Renovo Zechariah 6:11-12

         Rabi. Joshua ben Levi diz : o nome do Mashiach é Tzemach…
Talmud Brachot Cap. 2 Halachá 4 No Midrash Mishlei, o Rabino Huna fala dos "sete" nomes do Messias, tirado tambem de Isaias 9:5 



      Rebbe Rabi Menachem Mendel Schneerson: É preciso lhes dizer que a verdadeira e perfeita Redenção depende inteiramente de nós; pois se nós, judeus, voltarmos a D'us com um sincero arrependimento, seremos imediatamente redimidos pelo nosso justo Mashiach (Messias).”

    É ...pelo visto, o que podemos alegar mediante tudo isso, é o seguinte: pode ser que tal capítulo (Isaías 53) não esteja se referindo a Jesus, mas com certeza está se referindo ao Messias nosso Senhor (seja lá que Nome dêem a Ele).
     

6 comentários:

  1. Meu caro, shalom!

    Tem como vc me mandar por e-mail uma lista de livros nos quais esses comentários se encontram?

    Pode ser?

    Pretendo adquirí-los

    Meu e-mail: ieschua@hotmail.com

    Agradeço!

    Shalom Aleichem!

    ResponderExcluir
  2. Vc dispõe também de cópias de Is 53 em paleo-hebraico?

    Agradeço se puder me responder!

    ResponderExcluir
  3. Shalom Chaver!

    A maior parte dessa matéria encontra sua fonte no Talmud da Babilônia e no Zohar, o restante é parte isolada de Drashot dos antigos rabinos citados em comentários rabínicos modernos. Com relação ao texto de Isaías 53 em Páleo-Hebraico, não, não tenho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shalom, obrigado.

      Queria saber de vcs se têm cópia em pdf do comentário de rashi no qual ele fala sobre Is 7,14: "Isso significa que o Criador estará entre nós..." e comentários rabínicos sobre o salmo 110 em referência ao Messias, e algo do Targum que fala sobre os salmo 21: "A vida ele pediu, e lhe destes, vida longa eternamente"

      Poderiam me ajudar, estou estudando sobre isso.

      Excluir
  4. Devemos confiar de toda a nossa alma em nossos rabinos. Se você prefere acreditar no messias apontado e defendido por roma (igrejas) não queira que os nossos queridos irmão incorram nesta mentira.

    ResponderExcluir
  5. rabinos viam veladamente...Igreja é testemunho...Se há um rabino Maior, não tem porque dar mais importância a rabinos que Lêem com véus.

    ResponderExcluir